Busca no Site - site search
"A vida se alcança e amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros. Isso é, definitivamente, a missão" (Documento de Aparecida 360)
 

Missão Transformadora

MUDANÇAS DE PARADIGMA NA TEOLOGIA DA MISSÃO

BOSCH, David J. Missão transformadora. Mudanças de paradigma na teologia da missão. Tradução de Geraldo Korndörfer e Luís Marcos Sander. São Leopoldo/RS: Editora Sinodal, 2002. 690 p.


Autor

David J. Bosch, membro da Igreja Reformada Holandês, fez sua primeira experiência missionária na região do Transkei (1957-1971) na África do Sul. Depois, foi professor de missiologia na Universidade de Pretória por 24 anos. Duas vezes decano da Faculdade de Teologia (1974-77; 1981-87) e Secretário da Sociedade Sul-africana de missiologia desde sua instituição em 1968, foi também diretor e inspirador da importante revista Missionalia desde sua fundação em 1973. A sua produção teológica e literária, A Spirituality of the Road (1979), Witness to the World (1980), The Lord´s Prayer: Paradigm of a Christian Lifestyle (1985), The vulnerability of Mission (1991), mais uns sessenta artigos e palestras dadas no mundo inteiro, indica o seu trajeto que culminará com a publicação da obra mais prestigiosa. O seu compromisso com a situação da África do Sul nos anos 80, levou-o a recusar a oferta de assumir a cátedra de missiologia num dos mais prestigiosos seminários dos Estados Unidos. Morreu tragicamente no dia 5 de abril de 1992 num acidente de carro.


Sinopse

No debate missiológico contemporâneo, algumas obras destacam-se por seu valor documentativo e criativo. Uma delas é sem dúvida “Missão transformadora. Mudança de paradigmas na teologia da missão”, do autor sul-africano David Jacobus Bosch. O título original da obra, Transforming Mission, é de propósito ambíguo: pode significar a missão que se transforma, como também a missão que transforma. Nessa ambigüidade encontramos o status quaestionis da obra. A missão cristã está passando por uma crise profunda que diz respeito ao seu fundamento, às suas motivações, à sua finalidade e à sua natureza. Torna-se necessário, então, examinar as vicissitudes das missões e da idéia missionária durante os 20 séculos da história cristã para poder reconstruir algo de relevante para a atualidade e para o futuro. Com efeito, precisamos de uma nova visão de missão.

Na primeira parte, então, o autor começa sua indagação a partir dos fundamentos bíblicos: o que é missão para a Bíblia. Uma reflexão introdutória sobre o Novo Testamento como documento missionário, evidencia de maneira exaustiva que a Palavra de Deus é toda ela intrinsecamente missionária, do início até o fim, e não somente num grupo de textos. A partir desse dado, Bosch se concentra em analisar meticulosamente três modelos fundamentais de missão do Novo Testamento: a missão como fazer discípulos (Mateus); a missão como prática de perdão e solidariedade com o pobre (Lucas); a missão como convite a unir-se à comunidade escatológica (Paulo).

Em seguida, na segunda parte, o autor passa a mergulhar na analise de quatro grandes paradigmas históricos da missão: o paradigma missionário da Igreja Oriental, o da Igreja Católica da Idade Média, o da Reforma Protestante e o do movimento missionário dos séculos XIX e XX influenciado pelo Iluminismo. Este último modelo, filho do Iluminismo e reação ao mesmo, representa uma mudança radical que marca ainda hoje a atuação missionária das igrejas. Para Bosch, a identificação do movimento missionário moderno com a cultura ocidental de cunho iluminista, determinou sem dúvida a) sua cegueira frente os elementos pagãos existentes na cultura ocidental, e b) sua ignorância frente as tradições religiosas e culturais dos povos que procurava evangelizar. A prática missionária da igreja primitiva e dos monges da Idade Média foi muito diferente. Além disso, é difícil ignorar o fato do movimento missionário moderno ser impregnado de uma forte e prejudicial dose de pelagianismo e ativismo.

Na terceira parte, Bosch trata finalmente de um novo modelo de missão que está emergindo neste começo de século XXI, como crítica ao paradigma anterior. O que autor apresenta é um destilado das maiores reflexões sobre a missão a partir do Vaticano II em diante, de todos os Congressos e Assembléias protestantes e das contribuições dos principais missiólogos de todos continentes. As várias igrejas cristãs e as várias missiologias estão devidamente representadas nessa obra, o que revela uma sensibilidade ecumênica excepcional, sobretudo no conhecimento do mundo católico. Contudo, mais que uma originalidade de pensamento, Bosch sintetiza com muita competência uma enormidade de informações. Os elementos analisados e apresentados são os seguintes: Missão como Igreja-Com-os-Outros; Missão como Missio Dei; Missão como Serviço de Salvação; Missão como Busca da Justiça; Missão como Evangelização; Missão como Contextualização; Missão como Libertação; Missão como Inculturação; Missão como Testemunho Comum; Missão como Ministério do Povo de Deus; Missão como Testemunho entre os Crentes de outras religiões; Missão como Teologia; Missão como Ação na Esperança.

Na conclusão de sua obra, o autor se pergunta: afinal, para onde vai a missão? A missão é algo maior de seus projetos históricos. Ela precisa ser novamente compreendida a partir do princípio da “missão de Deus”: “não é a Igreja que ‘empreende’ a missão; é a missio Dei que constitui a Igreja” (p. 618).


Partes principais da obra

Introdução: Missão, a crise contemporânea

Parte 1: MODELOS NEOTESTAMENTÁRIOS DE MISSÃO

1. Reflexões sobre o NT como documento missionário
2. Mateus: missão como fazer discípulos
3. Lucas-Atos: a prática de perdão e solidariedade com os pobres
4. Missão em Paulo: convite para aderir à comunidade escatológica

Parte 2: PARADIGMAS HISTÓRICOS DA MISSÃO

5. Mudanças de paradigma na missiologia
6. O paradigma missionário da igreja oriental
7. O paradigma missionário católico romano medieval
8. O paradigma missionário da Reforma protestante
9. A missão na esteira do iluminismo

Parte 3: RUMO A UMA MISSIOLOGIA RELEVANTE

10. A emergência de um paradigma pós-moderno
11. A missão em um período de prova
12. Elementos de um paradigma missionário ecumênico emergente
13. Missão de muitas maneiras


Por que essa obra é referencial

Este livro foi reconhecido como uma obra monumental, magistral e uma excelente ferramenta de ensino. Tornou-se uma referência-padrão no estudo da missão, sendo talvez o livro-texto mais usado em aulas e cursos de missiologia. Para Bruno Chenu este texto é "ponto de referência para toda a reflexão histórica e atual da missão". Para Hans Küng "a primeira a implementar a teoria dos paradigmas para entender a missão". Para Lesslie Newbigin é considerada "um marco miliário, uma Summa Missiologica". No âmbito de uma reflexão teológica a partir da América Latina, o estudo de “Missão transformadora” é de grande importância por dois motivos:

  1. em primeiro lugar, porque a tese principal da obra diz respeito a toda a problemática da colonização da cultura ocidental conduzida também através da evangelização: uma reflexão sobre a descolonização da missão surge das ruínas e das derrotas de uma missão de cunho iluminista;
  2. em segundo lugar, porque na construção de um novo e ecumênico paradigma da missão, Bosch coloca bastante ênfase sobre o valor de uma "teologia do contexto" e oferece uma síntese, junto a uma crítica, das principais tendências de pensamento sobre a inculturação e sobre as perspectivas missionárias emergentes.

 

Copyright © 2008 - Missiologia – RELAMI
Todos os direitos Reservados
Malagueta / Br Comunicação