Igrejas fechadas: um sinal de Deus?

de Tomáš Halík – 01/05/2020

Podemos aceitar as igrejas vazias e silenciosas deste tempo de pandemia simplesmente como uma medida temporária que, em breve, será esquecida. Mas também podemos acolher isso como um kairós: um momento oportuno para “avançar para águas mais profundas” e procurar uma nova identidade para o cristianismo. A reflexão é do teólogo e padre tcheco Tomáš Halík, professor de Sociologia na Universidade Charles, de Praga, presidente da Academia Cristã Tcheca e capelão da universidade. Durante o regime comunista, militou na chamada “Igreja clandestina”. Recebeu o Prêmio Templeton 2014 e é doutor honoris causa pela Universidade de Oxford. O artigo é publicado por La Vie, 24-04-2020. A tradução, da versão italiana, é de Moisés Sbardelotto. Eis o artigo trazido do site do IHU.

Confira o artigo